Publicações

ARTIGOS:

Crítica do silêncio temático em Grande sertão: veredas – uma leitura de Diadorim

Gustavo Castro
Leandro Bessa

Resumo: Este artigo tem como objetivo discutir a ausência dos temas de gênero e da abjeção em Grande sertão: veredas (1956), de João Guimarães Rosa (1908-1967), por parte da crítica jornalística brasileira, com destaque especial à figura de Diadorim. Essa discussão ratifica a perspectiva de Silviano Santiago (2017) ao afirmar que o Grande sertão foi domesticado pelo pensamento conservador tanto acadêmico quanto jornalístico. Com uma metodologia de pesquisa bibliográfica e de arquivo de jornais, o artigo conclui que o não enfrentamento destas questões produz empobrecimento crítico.

Palavras-chave: Jornalismo. Literatura. Diadorim. Gênero. Guimarães Rosa.


Guimarães Rosa e o Boom Latino: o perfil inédito no Brasil do escritor feito por Harss e Dohmann

Gustavo Castro
Talita Fernandes

Resumo: Este artigo visa analisar, contextualizar e criticar as razões da não repercussão entre estudiosos brasileiros do perfil literário de Guimarães Rosa feito por Luis Harss e Barbara Dohmann para o livro Los nuestros (1966). O escritor é o único brasileiro entre os dez entrevistados pelos autores, todos latino-americanos. A obra tornou-se uma das principais referências no meio acadêmico do chamado “boom latino-americano” na década de 1960.

Palavras-chave: Guimarães Rosa. Entrevista. Luis Harss. Barbara Dohmann. Literatura latino-americana.


 Aspectos do imaginário e da comunicação em Grande Sertão: Veredas

 Gustavo Castro Silva  

Resumo: Trata-se de uma leitura crítica de imagens do livro Grande Sertão: Veredas (de 1956), com destaque para aspectos da comunicação e do incomunicável. O imaginário do livro flutua entre imagens da indeterminação, da ambiguidade e da mistura nos “entremeios”: coisas-dentro-das-coisas e coisas-entre-as-coisas. O artigo propõe uma problematização da relação estética do leitor e da leitura da obra, a partir da sua forma poética. Além disso, são feitas considerações sobre o imaginário e o pensamento comunicacional. 

Palavras-chave: Literatura brasileira. Comunicação. Grande Sertão: Veredas. Guimarães Rosa. Entremeios. 


Memória, catástrofe e narrativas da dor: Primo Levi, Riobaldo e os fantasmas na experiência do trauma

Rogério Borges
Gustavo Castro

Resumo: Este artigo problematiza a narrativa da dor e do trauma em obras testemunhais e em trabalhos ficcionais, tomando como objetos de análise textos memorialísticos do escritor italiano Primo Levi, sobrevivente dos campos de concentração nazistas, e o romance Grande sertão: veredas, de Guimarães Rosa, em especial as lembranças descritas por seu protagonista, o personagem Riobaldo Tatarana. Para tanto, propomos uma abordagem multidisciplinar, com escopos teóricos da narrativa e dos conhecimentos sobre afeto e memória, tendo em perspectiva as figuras fantasmáticas que esses textos trazem. As correspondências e aproximações entre os discursos em análise revelam efetivos laços que os unem, desde que lidos sob horizontes que ampliem suas mensagens, redefinam seus contornos e apostem em encontros simbólicos que enriqueçam o olhar a respeito da produção dos autores investigados.

Palavras-chave: Memória; Primo Levi; Guimarães Rosa


Tempo e caos: a “imaginação dos possíveis” e os média

Gustavo Castro
Florence Dravet

Resumo: Este artigo propõe uma reflexão sobre a noção de tempo e suas relações com os média, a partir dos estudos da complexidade e numa perspetiva transdisciplinar. Iniciando com reflexões sobre narrativas literárias e cinematográficas, o nosso objetivo é perceber como a noção de tempo é mediadora da compreensão da realidade espaço/tempo e da perceção estética do mundo entre ordem e caos. Recorremos ao diálogo entre ciência e narrativa e ao pensamento da física moderna sobre os conceitos de tempo, ordem e caos. As nossas conclusões apontam para três ideias: 1) a constante rememoração da catástrofe é um tema íntimo obsessivo que se apresenta através da narrativa artística e mediática; 2) a expressão da obsessão catastrófica vem suprir parcialmente o afeto pelo horror da humanidade atual e 3) o imaginário da catástrofe atravessa tempo e espaço e é transdisciplinar.

Palavras-chave: Catástrofe; comunicação; Ilya Prigogine; imaginário; Italo Calvino; tempo


Guimarães Rosa e o jornalismo

Gustavo Castro
Andrea Jubé

Resumo: Jornalismo e Literatura. Guimarães Rosa. Biografia. Este artigo insere-se no conjunto de estudos e pesquisas denominado “Perfil biográfico de João Guimarães Rosa (1908-1967)”, projeto desenvolvido pelo Grupo Siruiz – Estudos Comunicação e Produção Literária (CNPq/ UnB). Trata-se de um recorte específico da relação do escritor mineiro com a imprensa, analisando suas ligações com repórteres, editores e empresários de comunicação, além de sua aversão a entrevistas, entre os anos de 1947 e 1967. Interessam aqui as aparições, presenças e relações de proximidade que o autor mantinha e cultivava com a imprensa em seu tempo.

Palavras-chave: jornalismo e literatura; Guimarães Rosa; biografia.


JORNALISMO LITERÁRIO, TRANSDISCIPLINARIDADE E CAMPO DE COMPLEXIDADE: os saberes jornalístico-literários de João Guimarães Rosa

Gustavo Castro 
Florence Dravet
Andrea Jubé

Victor Cruzeiro

Resumo: Jornalismo e Literatura. Guimarães Rosa. Biografia. Este artigo insere-se no conjunto de estudos e pesquisas denominado “Perfil biográfico de João Guimarães Rosa (1908-1967)”, projeto desenvolvido pelo Grupo Siruiz – Estudos Comunicação e Produção Literária (CNPq/ UnB). Trata-se de um recorte específico da relação do escritor mineiro com a imprensa, analisando suas ligações com repórteres, editores e empresários de comunicação, além de sua aversão a entrevistas, entre os anos de 1947 e 1967. Interessam aqui as aparições, presenças e relações de proximidade que o autor mantinha e cultivava com a imprensa em seu tempo.

Palavras-chave: Jornalismo literário. Complexidade. Transdisciplinaridade. Educação. Comunicação.


Vontade de fantasia: crítica da razão fantástica e da objetividade

Gustavo Castro 
Verônica Brandão
Dioclécio Luz

Resumo: A imprensa tem dificuldade em lidar com temas da metafísica e do invisível; quando muito, esses temas interessam à imprensa sob o foco do escândalo, enquanto charlatanismo. Submetida à investigação jornalística, a transcendência é alvo de ironia, piada ou deboche, e a metafísica, pauta remota.

Palavras-chave: “jornalismo”; “objetividade”; “fantasia”.


Aprendizagem, meios digitais e afeto: propostas para um novo paradigma na educação superior

Gustavo Castro 
Florence Dravet

Resumo: Relaciona-se a presença dos meios digitais com os conhecimentos necessários a uma formação integral do ser humano, conjunção entre saberes racionais – capacidade de síntese e análise – e saberes afetivo-emocionais – capacidade de viver com o outro – propiciadora do saber viver e do pensar bem. A fim de contribuir para a reflexão crítica sobre o poder da tecnologia digital enquanto forma de avançar nos processos de aprendizagem, a proposta baseia-se na teoria da complexidade. Foi feita uma revisão bibliográfica seguida de pesquisa exploratória consistindo na análise comparativa de sites dedicados a propostas inovadoras em educação. Conclui-se que a presença dos meios digitais no ambiente educativo apresenta vantagens práticas para aquisição racional de conhecimentos. Porém, os meios digitais deixam lacunas afetivas a serem preenchidas por meio do ensino da ética das relações entre seres humanos na vida pessoal, social e coletiva.

Palavras-chave: Aprendizagem. Meios digitais. Educação. Afeto. Comunicação.


EM BUSCA DE GUIMARÃES ROSA:
O processo de construção de uma biografia

 Gustavo Castro Silva 

Resumo: O texto visa a problematizar a noção de romance-reportagem, a partir das metodologias do jornalismo literário, sobretudo àquela da complexidade e do imaginário. Trata-se de relato crítico e autocrítico da elaboração de perfil biográfico aprofundado de João Guimarães Rosa (1908-1967) a partir do acervo JGR/IEB-USP, e a constituição de uma linha do tempo do escritor mineiro a partir da documentação presente nesse mesmo acervo, mediante a correlação e reunião de dados contidos em cartas, cadernos, diários, notícias de jornais e acontecimentos públicos, profissionais e artísticos. Na reunião desses dados será analisado extensivamente também o arquivo de sua esposa, Aracy Moebius de Carvalho, como forma de aprofundar as informações

Palavras-chave: Guimarães Rosa. Biografia. Jornalismo.


Contribuições para uma crítica da exatidão

 Gustavo Castro Silva 

Resumo: Crítica e problematização da noção de exatidão como palavra-chave para o projeto de ciência e modelo de rigor científico. Objetivamos a noção de “Exatidão”, de Italo Calvino (1990) e as ideias de Heidegger (1998) de uma ciência “inexata”. Buscamos complementar estas duas visões com as noções de fantasia, logro e ilusão presentes em Cyrulnik (1999) e Wulf (2006) como cognição necessária e complementar àquela de realidade. Nossa metodologia é interpretativa e fenomenológica, buscando compreender como a crença nas noções de “exatidão” e realidade objetiva se tornou paradigma para a ciência e o jornalismo. Estas, por sua vez, passaram a relegar e desprestigiar noções como fantasia, imaginário e conhecimento aproximativo. Nossas conclusões apontam para a necessidade de retomar a crítica à noção de realidade sobretudo na maneira como o jornalismo a compreendeu.

Palavras-chave: Exatidão; Fantasia, Jornalismo; Literatura; Realidade.


Crie seu site com o WordPress.com
Comece agora
%d blogueiros gostam disto: